Uncategorized

Thor e todas as lágrimas que ficaram no cinema

Vou deixar uma coisa bem clara (perceberam que eu gosto de esclarecer as coisas antes para vocês não me xingarem depois, não?): Eu tenho um amor enorme pelos filmes da Marvel. Não todos, especialmente os da franquia dos Vingadores. E meu amor é especialmente especial pelo Loki. Deixando isso claro, let’s move on.

O primeiro filme dessa franquia que assisti foi Thor, no começo do ano passado. Até então, eu nunca tinha me interessado por super heróis, mas meu amigo falou que era legal para quem gostava de mitologia nórdica (eu amo qualquer tipo de mitologia, fato). Baixei o filme e me aventurei por todos os feels que eu podia ter por um personagem. Eu criei um link de empatia com Loki tão rápido, tão instantâneo, que eu nunca vi nada parecido. Então, corri assistir Os Vingadores (make everybody kneel) e não me decepcionei com ele, claro.

Mas então eu fiquei morta de curiosidade sobre o que aconteceria a seguir. Como uma boa fangirl, procurei na internet tudo sobre os filmes que viriam e descobri que logo sairia Thor: O Mundo Sombrio. E fiquei na expectativa. Finalmente, consegui ver o filme.

Assisti, como uma boa fangirl (2), na sexta que saiu o filme. Fui sozinha, para poder chorar e rir a vontade. Vou tentar não dar spoilers, PROMETO, mas enfim, se escapar, me perdoem.

Em Thor: O Mundo Sombrio, vemos os Elfos Negros querendo transformar o universo no que ele era antes: em sombras. Para isso, eles contam com uma arma chamada Éter, que tem poder de transformar tudo em sombras. Thor está divido entre ficar e ser rei ou abdicar o trono e ficar com Jane Foster. Quando Jane descobre onde está o Éter, meio sem querer, ela absorve esse poder e Thor volta para regasta-la.

Um resumo bem por cima para eu poder falar sobre esse filme. Eu achei Thor um personagem muito mais consistente, não sei se é porque to começando a simpatizar com ele, ou se é porque eles construíram ele muito bem nesse filme, não sei. Só sei que eu não tenho vontade de passar todas as partes que ele aparece para ver a parte do Loki – que sempre são mais divertidas. Thor ta mais maduro, sabe das suas responsabilidades e etc. Ponto positivo pra esse filme: mais simpatia pro cara que devia ser o principal dessa bagaça toda.

Thor esbanjando simpatia e masculinidade
Thor esbanjando simpatia e masculinidade

Jane… Puf. A Jane continua uma personagem plana que não consigo engolir. Ela começa sentindo falta do Thor. Ela termina o filme sentindo falta do Thor. Senti falta de realmente alguma coisa nela, algum sentido – além dela ser possuída pelo Éter. Temos a Natalie Portman que é uma tremenda atriz, mas que é tão mal aproveitada que fico pensando que se realmente ela não tinha razão quando disse que não queria mais fazer o filme. Um dos poucos pontos negativos nesse filme.

A serventia da Jane
A serventia da Jane

LOKI. O que falar do Loki nesse filme? Muitas risadas e muitas lágrimas foram por causa dele. Meu Deus, como eu chorei nesse filme por causa daquele maldito filho da puta. COMO! Esse filme é legal porque a gente vê a relação familiar dele: com Thor, Odin e Frigga. É de quebrar o coração, a primeira cena depois de toda a introdução (Muitos acham que antes de tudo não tinha nada, eles estão errados, havia trevas numa narração maravilhosa feita por Anthon Hompkins que falo que pode substituir Morgan Freeman fácil) já te dá aquela facada, que é pra você sentir dor de vez, sem lenga lenga. BOOM, daddy issues (problemas com os pais) e carinha de cachorro sem dono do Tom Hiddleston. Mas Loki está mais maduro nesse filme também, ele sabe que ele pisou na bola, ele sabe que o que ele fez foi errado. E bem… Ele sempre foi o melhor personagem.

BAM, bem nos seus sentimentos
BAM, bem nos seus sentimentos

Christopher Eccleston… Meu segundo Doctor favorito e agora um dos meus vilões favoritos. Eu achei bem legal. A maquiagem dele… UAU. Não tenho o que reclamar de toda a caracterização dele. Ficou demais. Muito boa mesmo. A maquiagem, o figuro, os efeitos especiais. E, tendo ele como vilão, me fez ter a sensação que eu estava vendo um grande episódio de Doctor Who, já que a maior parte da ação se passa em Londres – e ela é semi-destruída, como em todos os episódios de Doctor Who.

Achei um filme muito bom. Melhor que Thor. Bem melhor. Thor: O mundo Sombrio tem mais magia – a gente pode conhecer Asgard melhor e essa é a melhor parte de todo esse mundo fantasioso da mitologia nórdica. Tem muita ação, lágrimas, risos. Você vai rir bastante. Mesmo. Principalmente entre a interação Thor e Loki. Loki vira aquele irmão mais novo chato, capeta que não para para de encher o saco. E essa é a melhor parte, meu Deus!

Ou seja, sou suspeita pra falar, porque sou fã, mas o filme é muito bom sim. Alguns efeitos especiais ficaram bem porcos, fizeram o 3D meio correndo, e tem umas partes que você percebe demais que é feito em tela verde e tudo mais, o que me irritou bastante. Porém, de resto… Atuação impecável, figuro e maquiagem estão demais nesse filme, mesmo. É uma ótimo filme pra se divertir.

OBSQuando eu fiz esse post, minha internet estava passando por problemas técnicos, logo não consegui pegar todas as imagens que queria. Depois que se estabilizar, venho arrumar e deixar ele bonitinho do jeito que queria. Obrigada pela compreensão.

Anúncios

Um comentário em “Thor e todas as lágrimas que ficaram no cinema

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s